ALAGOAS TEM SETE BARRAGENS COM ESTRUTURA COMPROMETIDA, EXPÕE ANA

Sete barragens apresentam algum tipo de risco em AL, expõe ANA


Do total, três foram identificadas como de alto risco. Engenheiro da Semarh responsável pela fiscalização descarta possibilidade de acidentes.



Sete barragens no estado de Alagoas estão com a estrutura comprometida, segundo o Relatório de Segurança de Barragens de 2016 divulgado esta semana pela Agência Nacional de Águas (ANA). Do total, três foram identificadas como de alto risco.

As barragens citadas são: Canoas, em Rio Largo; Gulandim, Prado, São Francisco e Bosque IV, em Teotônio Vilela e Francisco Alves e Progresso, em Coruripe.

O relatório é dividido em classificações, como risco baixo, médio e alto. A Canoas, em Rio Largo, é uma das três no estado que entraram na categoria de risco alto, por conta da erosão no vertedor – que é por onde a água deveria passar quando a barragem está cheia.

Segundo o departamento de fiscalização, a usina recebeu um prazo de 6 meses para resolver o problema. Por enquanto, lonas plásticas tentam impedir o avanço da erosão e canos foram instalados, provisoriamente, por cima do paredão.

Após a divulgação dos dados, a ANA vê risco nos problemas apresentados nas barragens de todo o país.

Qualquer barragem em um estado de conservação que não é o adequado, pode sim acarretar um acidente”, diz a especialista em recursos hídricos da autarquia federal, Fernanda Laus.

A especialista disse ainda que a responsabilidade pela segurança pode ser do dono da terra ou de quem explora a barragem. Entretanto, a fiscalização varia.

No caso do estado e das barragens apontadas no relatório, a responsabilidade pela fiscalização é da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh).


Por:G1

Postar um comentário

0 Comentários