PISO DE APARTAMENTO AFUNDA NO BAIRRO DO PINHEIRO E DEIXA MORADORES APAVORADOS

Adicionar legenda


piso de um apartamento situado no bairro do Pinheiro cedeu, na manhã desta terça-feira (15), causando mais prejuízos e assustando os moradores do bloco 16 A do Edifício Juá, no conjunto Jardim das Acácias.




"O apartamento está alugado, chegamos aqui hoje para vistoria da Defesa Civil e, quando abrimos a porta, percebemos este afundamento. A nossa inquilina ainda não  havia relatado essa situação, então acreditamos que aconteceu hoje", disse Roberto Brandão, dono do apartamento.

"A princípio, o que faremos é analisar se a estrutura da casa está condenada para, se necessário, retirar os moradores, mas ainda não podemos concluir a causa deste afundamento. A análise que está sendo feita nesta rua deve ajudar", explicou Jairo Correia, geofísico do Serviço Geológico do Brasil (SGB).

Segundo Jairo, o afundamento do piso do apartamento não deve ter relação com o tremor, por se tratar de uma região de aterro, em que é comum esse tipo de afundamento acontecer.

Geofísicos estudam as causas

Desde as primeiras horas do dia, novas equipes de geofísicos vindos de universidades e órgãos federais do Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília se juntaram ao grupo de geólogos para estudar as possíveis causas do afundamento do bairro do Pinheiro.

A equipe está realizando uma atividade de eletroatividade, fazendo perfurações "para dar choque no solo". O serviço deve durar o dia todo e tem o objetivo de entender o motivo dos afundamentos e do tremor sentido há quase um ano.

"Os choques não devem ser sentidos na superfície, mas eles aconteces em até 60 metros de profundidade", explicou o técnico. Dez ruas do bairro receberão a análise, que deve ser concluída até o dia 24 deste mês.

"Cada material que tem no solo tem uma coisa que se chama resistividade, é uma propriedade elétrica do material. Com essa resposta que a gente adquirir aqui, vamos saber que tipo de material tem ou se não tem material", pontuou.

Vários estudos estão sendo feitos nas áreas afetadas para tentar chegar ao causador das rachaduras.

"Esse que estamos fazendo aqui é um estudo complementar. Tem a batimetria sendo realizada na lagoa, tem a análise dos geólogos sobre os riscos, tem uma série de estudos que podem ser realizados posteriormente também", ressaltou.

O serviço realizado pela equipe vai alterar a rotina dos moradores e também dos motoristas que circularem pela região. Nesta terça-feira, até as 15h, de 10 em 10 minutos, a rua Professor Mario Marroquim terá o trânsito interditado para a realização dos estudos.

Já a rua Manuel Menezes ficará completamente interditada até as 15h. Uma equipe da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) está  no local para organizar o trânsito e orientar os condutores.

Afundamento do asfalto

No início da manhã de hoje, um vazamento de água no bairro do Pinheiro provocou alagamento na Rua Cônego Cavalcante, onde parte do asfalto e da calçada foi danificada.

A equipe de reportagem da TV Gazeta esteve no local e constatou o grande vazamento proveniente de uma tubulação. Populares relataram que o fato ocorreu durante a madrugada e que, dias antes, houve um problema na tubulação.

Com o vazamento, a calçada cedeu e motoristas devem redobrar a atenção na localidade. O alagamento compromete grande extensão da via. Uma equipe de técnicos da Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) ficou de comparecer ao local para fazer o conserto da tubulação.

Por:Jornal de Alagoas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

As Mais acessadas da semana (Verdade Livre)