AGENTE PENITENCIÁRIO MATA NAMORADA, VIAJA COM O CORPO E SE SUICIDA

Reprodução/Facebook

Após contar o que o tinha acontecido, ele pediu perdão à família, saiu da casa, entrou no carro onde estava o corpo da mulher e se matou


O agente penitenciário Francisco Moacir Nunes Junior, de 37 anos, matou com um tiro a namorada Iara Coelho da Silva, de 30, durante uma briga do casal, em Sorocaba, na noite desse sábado (23/2).

Em seguida, ele colocou o corpo da vítima no carro e viajou até a casa dos pais dele, em Itapetininga, a 65 km de distância. Depois de contar o que o tinha acontecido, ele pediu perdão à família, saiu da casa, entrou no carro onde estava o corpo da mulher e se matou. Aos familiares, o agente alegou que o tiro contra Iara tinha sido acidental.

O casal estava junto havia mais de um ano e morava na zona leste de Sorocaba. Francisco Junior trabalhava como agente penitenciário em Mairinque, cidade vizinha.

Conforme relatou aos familiares, a namorada havia encontrado mensagens de outra mulher em seu celular e ele saíra de casa, mas voltou para pegar seus pertences. Os dois discutiram e ela teria tentado tirar o revólver de sua mão, quando houve o disparo. Ao ver que o agente estava muito abalado, a mãe tentou impedi-lo de sair de casa, mas Francisco pulou o portão. Em seguida, a família ouviu o disparo.

O serviço de resgate do Corpo de Bombeiros foi acionado e constatou a morte do agente. Os dois corpos foram levados para o Instituto Médico Legal (IML) de Itapetininga. O corpo de Francisco foi sepultado na tarde desse domingo (24), no cemitério Jardim Colina da Paz. Não havia informações sobre o local de sepultamento do corpo da mulher. A Polícia Civil apreendeu a arma do crime e um colete à prova de balas do agente penitenciário. As mortes foram registradas como homicídio e suicídio.

Tiro

Em Jacareí, no Vale do Paraíba, uma escrivã da Polícia Civil deu um tiro na coxa do marido durante uma briga do casal, na madrugada de sábado. Eles são casados há mais de 20 anos e discutiram após uma festa. A mulher alegou que, após chegarem em casa, no Jardim Santo Antônio de Boa Vista, o homem começou a agredi-la. O filho interveio, mas também foi agredido. Para se defender, ela pegou a arma no criado-mudo e fez um disparo, atingindo a coxa esquerda do marido.

A vítima foi levada para o Hospital Alvorada, mas está fora de perigo. Em seu depoimento, o homem disse não ter sido a primeira vez que a mulher apontava a arma para ele, mas não havia registro anterior de agressões. O casal foi ouvido e liberado. Os dois não tiveram os nomes divulgados. Um inquérito vai apurar o caso.

Neste 2019, o Metrópoles inicia um projeto editorial para dar visibilidade às tragédias provocadas pela violência de gênero. As histórias de todas as vítimas de feminicídio do Distrito Federal serão contadas em perfis escritos por profissionais do sexo feminino (jornalistas, fotógrafas, artistas gráficas e cinegrafistas), com o propósito de aproximar as pessoas da trajetória de vida dessas mulheres.

O Elas por Elas propõe manter em pauta, durante todo o ano, o tema da violência contra a mulher para alertar a população e as autoridades sobre as graves consequências da cultura do machismo que persiste no país.

Desde 1° de janeiro, um contador está em destaque na capa do portal para monitorar e ressaltar os casos de Maria da Penha registrados no DF. Mas nossa maior energia será despendida para humanizar as estatísticas frias, que dão uma dimensão da gravidade do problema, porém não alcançam o poder da empatia, o único capaz de interromper a indiferença diante dos pedidos de socorro de tantas brasileiras.


Por:TNH1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

As Mais acessadas da semana (Verdade Livre)