PISTOLEIROS SÃO CONTRATADOS PARA MATAR PREFEITOS DE PALMEIRA E DE OURO BRANCO


Júlio Cézar reforçou a segurança após descobrir plano para ser executado por bando/Foto:Reprodução/Facebook
Casos são investigados sigilosamente e polícia trabalha com duas hipóteses: crime passional ou motivação na disputa pelo poder político da região




Os prefeitos de Alagoas e vereadores começaram as articulações para garantir os seus projetos de reeleição. Os adversários também se movimentam nos bastidores políticos. No Sertão e Agreste, antigos "coronéis" da política percebem a fragilidade do aparelho de segurança pública com efetivos defasados, querem manter seus redutos a qualquer preço e tentarão ampliar seus espaços de Poder. Nas prefeituras, o clima é tenso.

Entre os chefes dos Executivos municipais com medo morrer, dois estão na lista: o prefeito de Palmeira dos Índios, Júlio Cézar da Silva (PSB), e Edimar Barbosa (MDB) entraram na linha de tiro dos pistoleiros. Os dois escaparam ilesos de emboscadas.

O caso mais recente é o do prefeito Júlio Cézar da Silva, de Palmeira dos Índios, a 136 quilômetros de Maceió. Ele tentará a reeleição. Ao saber de um suposto plano de execução, ele redobrou a segurança. O prefeito escapou, por sorte, de dois atentados porque os pistoleiros tiveram planejamento frustrado.

A Gazeta de Alagoas obteve informações exclusivas dando conta que a morte de Júlio Cézar está orçada em R$ 300 mil. Parte do dinheiro, cerca de R$ 90 mil, já foi gasto na aquisição de dois carros: um de fabricação japonesa e outro nacional. As placas e as marcas dos veículos não serão reveladas neste momento, para não atrapalhar as investigações das equipes de policiais altamente operacionais que trabalham sigilosamente no caso.

Além dos carros, os envolvidos na trama criminosa gastaram pouco mais de R$ 20 mil em compras de pistolas, fuzis, munição, coletes, entre outros equipamentos para facilitar fugas e disfarces. Há 40 dias, os pistoleiros rondam aquele município do Sertão na divisa com a região do Agreste.

Existem indicativos de que o prefeito Júlio Cézar já deveria ter sido executado. A estratégia dos assassinos era aproveitar as visitas do prefeito em obras e atividades públicas na região, principalmente as que concentram muita gente. Nas duas emboscadas planejadas, não houve a consumação porque a movimentação popular foi pequena. O prefeito não sabia de nada.

Matadores

Pelo que a Gazeta apurou, dois grupos de pistoleiros foram contratados para matar o prefeito de Palmeira. Um grupo com quatro assassinos, alguns deles ex-policiais, foi arregimentado nas cidades próximas ao município de Bom Conselho, no interior de Pernambuco, região onde a polícia suspeita da existência de fazendas de criminosos que roubam bancos e matam políticos por encomenda. Outro grupo, também com quatro homens, são do Agreste: de Arapiraca e cidades vizinhas. Também há suspeita de ex-policiais envolvidos.

Integrantes dos dois grupos têm sido vistos com frequência rondando a cidade, ruas próximas à prefeitura e comunidade de Palmeira de Fora, onde Júlio Cézar mora com a família. Um dos suspeitos foi identificado porque tem feito perguntas a funcionários públicos municipais e moradores da região, a respeito da rotina do prefeito. Recentemente, um informante de um dos assessores da prefeitura alertou Júlio Cézar para o perigo de emboscada que pode acontecer a qualquer momento. Isto o fez mudar a rotina de trabalho e reduzir as aparições públicas.

Crime Cibernético

As desconfianças dos eleitores aumentaram depois que ele apareceu em um "nudes" (foto sem roupa) nas redes sociais. O problema foi parar na Justiça e é tratado como "crime cibernético" desde o ano passado. A origem é passional. O caso é investigado pelo delegado Thiago Prado, que identificou a pessoa acusada de divulgar os "nudes".

Os assessores de Júlio Cézar confirmaram que o "caso do nudes" viralizou nas redes sociais e ainda faz parte dos comentários jocosos dos bastidores políticos de Palmeira. Porém, os assessores garantem que já está praticamente esclarecido, com suspeitos indiciados e os envolvidos devem responder na justiça por crime cibernético.

A Gazeta tentou entrevistar o prefeito. Ele evitou conceder entrevista e não quis fornecer mais detalhes a respeito do caso para não atrapalhar as investigações policiais. Ao agradecer o apoio do Ministério Público Estadual e afirmar que confia no trabalho da polícia, disse acreditar que o caso em breve estará esclarecido. Adiantou, porém, que a polícia dispõe de informações importantes que podem ajudar a esclarecer tudo. Sobre política, também evitou falar. Não descartou o projeto de reeleição.

Prefeito de Ouro Branco reforça segurança pessoal

O outro prefeito jurado de morte é o do município de Ouro Branco, no sertão de Alagoas, Edmar Barbosa (MDB). Ele escapou de um atentado à bala na zona rural do município no último dia 11. O carro dele foi atingido por tiros, numa emboscada armada por pistoleiros ainda não identificados pela polícia. Os criminosos agiram no velho estilo de crimes de encomenda: usaram motocicletas e aproveitaram o momento que o prefeito estava longe da cidade para emboscá-lo. O prefeito escapou ileso.

Dois delegados do Sertão - Hugo Leonardo e Diego Nunes - investigam o caso. Testemunhas e informantes da polícia estão sendo ouvidos na delegacia de Ouro Branco. Os policiais suspeitam de crime com motivação política. Mas não descartam nenhuma possibilidade, revelou o chefe de serviço da delegacia, policial Laelson Cavalcante. A polícia trabalha também com a possibilidade de assaltos, por conta das últimas ocorrências contra jovens de famílias tradicionais e trabalhadores rurais. O delegado José Nunes Ferreira Feitosa está à frente do caso e conduz as investigações sigilosamente para não prejudicar o trabalho dos colegas.

O inquérito estava com a delegacia de Santana do Ipanema, que registrou a ocorrência durante o plantão. O atentado ocorreu quando o carro de Edmar Barbosa trafegava na zona rural. Os pistoleiros fizeram vários disparos contra o prefeito. O carro foi atingido, o prefeito conseguiu escapar sem ser atingido pelos disparos. Segundo o chefe de serviço da delegacia, Laelson Cavalcante, além da abertura do inquérito do caso, também estão sendo feitas diligência na região.
Segurança pessoal

O prefeito Edimar Barbosa tem evitado aparições públicas, mudou a rotina de trabalho e tem confidenciado a amigos que teme pela sua segurança. Ele entrou em contato com a Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) e pediu apoio. "Exerço cargo público, neste momento. Por isso, recorri à Secretaria de Segurança Pública para pedir apoio a fim de garantir a minha integridade física", afirmou o prefeito de Ouro Branco ao ser entrevistado recentemente pelo G1.

O prefeito disse ainda não ter suspeitas sobre quem cometeu o crime e que espera que a investigação policial chegue aos culpados. Além do caso dos prefeitos ameaçados, o Serviço de Inteligência da SSP monitora movimentaeta Webções políticas nos municípios de Delmiro Gouveia, Batalha, Major Izidoro, Olho D`água das Flores, Estrela de Alagoas e Minador do Negrão. Nestas cidades do Sertão tem históricos com políticos violentos. O clima é de atenção.

Por:Gazeta Web

Nenhum comentário:

Postar um comentário

As Mais acessadas da semana (Verdade Livre)