PROCURADOR DIZ QUE MPE VAI INVESTIGAR DESPERDÍCIO DE R$ 600 MIL DE RENAN FILHO

Obras do Hemoal Arapiraca foram abandonas após gasto de R$ 600 mil/Foto:Genildo
Governo de Alagoas desistiu de reforma do Hemoal de Arapiraca após torrar recursos público


O silêncio e a falta de justificativa do governo Renan Filho (MDB) sobre as razões para o desperdício de R$ 600 mil dos cofres públicos do Estado serão alvo de uma investigação do Ministério Público de Alagoas (MPE/AL), segundo o procurador-geral de Justiça, Alfredo Gaspar de Mendonça. A Gazetaweb denunciou que o Estado gastou mais de meio milhão para reformar o Hemocentro de Arapiraca e, logo depois, desistiu de concluir a obra porque o espaço não era o adequado para a demanda.

De acordo com o procurador, assim que ele tomou conhecimento da denúncia o Ministério Público manifestou interesse em apurar a informação, repassando-a para procuradores da Fazenda Pública responsáveis pela fiscalização do uso do erário. Na visão de Mendonça, os responsáveis pela obra devem dar explicações sobre a falta de planejamento prévio, já que houve o emprego de recursos públicos na reforma.

Como a reportagem é baseada em informação oficial do próprio Estado, o caso vai direto para um dos seis procuradores titulares da Fazenda Pública. Conforme explicou o procurador-geral, por se tratar de uma "notícia de fato", no mínimo precisa ser verificada. "Então, com base nessa informação, uma dessas promotorias irá se aprofundar nessa obra. Isso é uma notícia de fato. Após a sua indagação [reportagem], farei o devido encaminhamento", garantiu.

"A obrigação do Ministério Público, enquanto instituição, é o da aplicação precípua dos recursos públicos. Evidentemente, o papel da administração pública como um todo é entregar a política pública pronta, acabada e funcionando. Esse caso, enquanto estava afastado do cargo, vi em uma reportagem. Estou reassumindo o cargo agora. Temos as promotorias da Fazenda Pública. São seis promotores que trabalham fiscalizando a aplicação de recursos públicos em todas as áreas", detalhou Mendonça.

A Secretaria de Saúde do Estado (Sesau) informou que, após o início das obras, foi observado que o local onde a reforma estava sendo realizada pelo governo Renan Filho não terá como comportar uma ampliação do projeto original, que incluirá um ambulatório de hematologia. A Sesau não soube explicar o porquê de só ter notado que o espaço não seria o adequado após gastar mais de R$ 600 mil.

Por:Gazeta Web

Nenhum comentário:

Postar um comentário

As Mais acessadas da semana (Verdade Livre)