no-style


SOBE PARA 12 NÚMERO DE PESSOAS QUE VIAJARAM COM BOLSONARO PARA OS EUA E TÊM CORONAVÍRUS

O presidente Jair Bolsonaro e a primeira-dama Michelle em Jacksonville (EUA), antes do embarque de volta para o Brasil — Foto: Alan Santos / PR

Presidente da CNI, que esteve em Miami com o presidente, recebeu resultado nesta segunda e informou que ainda não tem sintomas. Testes de Bolsonaro e família deram resultado negativo.



Chegou a 12, nesta segunda-feira (16), o número de pessoas que participaram da viagem do presidente Jair Bolsonaro aos Estados Unidos, há uma semana, e agora estão com coronavírus.

O caso mais recente é do presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade. Ele não viajou no avião presidencial, mas se encontrou com Bolsonaro e outras autoridades em eventos em Miami.

De acordo com a assessoria da confederação, Andrade ficará em quarentena e, por enquanto, ainda não apresentou qualquer sintoma da Covid-19 – doença causada pelo coronavírus.

Além de Robson Andrade, outras cinco autoridades que participaram dos eventos foram infectados pelo vírus:


o senador Nelsinho Trad (PSD-MS);
o encarregado de negócios do Brasil nos Estados Unidos, Nestor Forster, e
o secretário de Comunicação da Presidência, Fábio Wajngarten.
o secretário Especial Adjunto de Comunicação Social da Presidência, Samy Libermam – "número dois" de Wajngarten na pasta;
e o prefeito de Miami, Francis Suarez.

A lista é composta, ainda, por dois auxiliares de Bolsonaro em assuntos partidários e pessoais:

o publicitário Sérgio Lima, que trabalha com a família Bolsonaro na criação do partido Aliança pelo Brasil, e a advogada de Jair Bolsonaro, Karina Kufa.

No domingo, o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI) também confirmou resultados positivos para quatro integrantes da "equipe de apoio" da viagem. Segundo o GSI, toda essa equipe – seguranças, assessores de comunicação e de cerimonial, por exemplo – já tinha "optado por um regime de auto-isolamento" desde a chegada ao Brasil.

"Dentro desse grupo, quatro indivíduos apresentaram resultado positivo, porém todos eles estão com um quadro de saúde ainda assintomático. Dessa forma, cumprirão em suas residências o isolamento recomendado de 14 dias", informou o GSI em nota.

Bolsonaro sem vírus

O teste de Jair Bolsonaro deu negativo, mas o Ministério da Saúde recomendou que o exame seja refeito na próxima semana. Enquanto isso, a recomendação é para que Bolsonaro siga em "monitoramento".

Neste domingo, Bolsonaro quebrou a recomendação de cautela e participou de um ato a favor do governo e com críticas ao Judiciário e ao Legislativo. Ele chegou a apertar a mão de apoiadores em frente ao Palácio do Planalto.

Bolsonaro sobre manifestação: ‘Se eu me contaminei, é responsabilidade minha'

Na quinta (12), após o anúncio do diagnóstico positivo de Wajngarten, outras autoridades que também viajaram no avião presidencial ou se encontraram com a comitiva nos EUA deram início a uma rodada de testes.

A maior parte teve resultados negativos. Estão nesta lista o presidente Jair Bolsonaro, a primeira-dama Michelle Bolsonaro, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), o governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), e os ministros Bento Albuquerque (Minas e Energia), Fernando Azevedo e Silva (Defesa), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Ernesto Araújo (Relações Internacionais).

O deputado Daniel Freitas (PSL-SC) e o senador Jorginho Mello (PL-SC) também fizeram testes, e não estavam com o vírus.


Por:G1

Postar um comentário

0 Comentários