no-style


SEM VOTO EM 2016, QUASE MIL MULHERES VOLTAM A SE CANDIDATAR NESTAS ELEIÇÕES

 

Imagem/Internete

Há quatro anos, quase 15 mil candidatas a vereadora não receberam nem sequer o próprio voto – o equivalente a 10% do total. Agora, 975 delas voltam a disputar a eleição. Especialista alerta que não ter voto é indício de ‘candidatura laranja’.

Um levantamento feito pelo G1 revela que 975 candidatas mulheres que não receberam nem sequer um voto em 2016 voltaram a se candidatar nestas eleições. Em 99% dos casos, as mulheres lançaram a nova candidatura no mesmo município pelo qual "concorreram" em 2016. Porém, mais da metade das candidatas (57%) mudou de partido.

Quase todas as mulheres (98%) continuam buscando uma cadeira na Câmara Municipal. Elas disputam por 27 partidos, sendo que MDB, PSD e PP registram o maior número das mulheres ‘zeradas’ em 2016 que concorrem em 2020. Os estados com o maior número dessas candidaturas são Bahia, Minas Gerais, São Paulo e Maranhão.

Os partidos começaram a aumentar o número de candidaturas de mulheres após a minirreforma eleitoral de 2009. A emenda tornou obrigatória a cota de, no mínimo, 30% para candidaturas de mulheres em eleições proporcionais (como a de vereador). Antes disso, uma lei previa a reserva de 30% das vagas para as mulheres, mas os partidos deixavam essas vagas vazias.

Especialistas ouvidas pelo G1 afirmam que as mulheres se interessam por política, mas enfrentam barreiras para o lançamento de candidaturas e também para ter sucesso eleitoral (como o financiamento de campanha). Elas destacam que os partidos ainda são dominados por homens, que não têm interesse em incentivar a participação de mulheres e que temem perder espaço ou cargo na vida pública.


Zero voto em 2016

O G1 localizou sete candidatas que registraram zero voto na eleição municipal de 2016 e que voltam a concorrer em 2020. Parte delas nem sequer menciona nas redes sociais que está na disputa. Apenas uma candidata a vereadora reconhece que seu nome foi lançado em 2016 apenas para cumprir a cota de 30% de candidaturas de mulheres. As demais dizem que problemas de saúde e cuidados com os filhos foram determinantes para elas não fazerem campanha e não receberem votos.




Moradora de Belo Campo (BA), Magna Reis reconhece que a sua candidatura em 2016 foi apenas para cumprir o número mínimo. Ela lançou a candidatura pelo PSD e obteve zero voto. Agora, diz que “é diferente” e que realmente vai “lutar pelas mulheres”. “[Em 2016] fui convidada a me candidatar para preencher a chapa. Existe a quantidade de mulheres para preencher a chapa em um partido, assim como a de homens”, diz.


Postar um comentário

0 Comentários