OPERAÇÃO LANDFILL INVESTIGA LICITAÇÕES FRAUDULENTAS NO ATERRO SANITÁRIO DO SERTÃO DE ALAGOAS; FOTOS

Divulgação / MP-AL

Autoridades cumprem mandados em Olho d’Àgua das Flores, sendo um deles na residência do ex-prefeito, e outros quatro nos bairros da Ponta Verde e Benedito Bentes, em Maceió


Landfill: este é o nome da operação deflagrada, na manhã desta sexta-feira (8), pelo Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Estado de Alagoas (MPAL) e pela Promotoria de Justiça de Olho d’Água das Flores e a 2ª Promotoria de Santana do Ipanema. A ação ocorre com o objetivo de desarticular uma suposta organização criminosa que teria atuado nas licitações e execuções contratuais realizadas no âmbito do Consórcio Intermunicipal para Gestão de Resíduos Sólidos (Cigres), causando dano ao erário de Olho d’Água e outros municípios consorciados de cerca de R$ 6 milhões e o enriquecimento ilícito de um ex-prefeito. 

A operação, que também conta com o apoio do Núcleo de Gestão da Informação (NGI) do MPAL, quer colher novas provas e desarticular por completo o esquema fraudulento que foi praticado no aterro sanitário de Olho d’Água das Flores - que também recebe os resíduos sólidos de mais 17 cidades sertanejas, durante a gestão do então prefeito Carlos André Paes Barretos dos Anjos.



 O ilícito teria proporcionado o enriquecimento ilícito e prejuízo aos cofres públicos em razão da possível prática de fraudes à licitação, peculato e lavagem de capitais.

Seis mandados expedidos - Na operação foram cumpridos seis mandados de busca e apreensão, todos expedidos pela 17ª Vara Criminal da Capital, dois em Olho d’Àgua das Flores, sendo um deles na residência do ex-prefeito, e outros quatro nos bairros da Ponta Verde e Benedito Bentes, em Maceió.

 Foram apreendidos alguns  bens visando um futuro ressarcimento ao erário e material para fins do complemento da investigação.



Apuração continua - As investigações, de acordo com o Ministério Público, seguirão para a análise das provas recolhidas e para a busca de novos suspeitos e informações.





 

Ascom MP-AL/Fotos:Divulgação Ministério Público

Postar um comentário

0 Comentários